Abertura do XII Encontro Nacional do PROIFES-Federação lota auditório da UFRN

Publicado em 05 de agosto de 2016 às 10h35min

Tag(s): Encontro



Com o hall e auditório do Centro de Educação da UFRN absolutamente lotado, delegados e observadores, representando os sindicatos federados, convidados do Brasil e do exterior, estudantes de comunicação, profissionais da mídia, políticos, lideranças dos movimentos sociais e sindicais e a sociedade civil potiguar prestigiaram a cerimônia de abertura do XII Encontro Nacional do PROIFES-Federação, realizado em Natal.

O evento, que vai até o dia 7 de agosto, visa discutir os principais temas de interesse e reivindicações dos professores das universidades e dos institutos federais, e contou com a palestra da filósofa, escritora e artista plástica Marcia Tiburi , que fez a abordagem do tema Democracia e Intolerância.

Na mesa diretiva, as lideranças sindicais e institucionais da Educação Pública Superior. O presidente do PROIFES-Federação, Eduardo Rolim; o presidente do ADURN-Sindicato, Wellington Duarte; a reitora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Ângela Paiva Cruz; o pró-reitor de Planejamento  e Desenvolvimento Institucional do Instituto Federal do Rio Grande do Norte, Marcos Antônio de Oliveira; o secretário de Relações Internacionais da federação Nacional de Docentes Universitários da Argentina, Carlos de Feo; e a presidenta do ATENS Sindicato Nacional, Maria do Rosário Alves.

Abertura

A abertura foi feita pelo presidente do ADURN-Sindicato, Wellington Duarte, anfitrião do Encontro. Ao dar boas-vindas aos professores de todas as regiões do país, o dirigente ressaltou o caráter de ousadia e protagonismo político da capital potiguar. “Bem-vindos à terra dos heróis de 1935, homens de fibra que ergueram, de forma muito breve, o primeiro governo popular revolucionário da história da américa latina. Reverencio a memória de João Lopes; de Quintino Clementino de Barros; Lauro Lago; José Macedo; João Galvão e do sapateiro José Praxedes. Homens que ousaram dizer “não” às elites”.

E ressaltou o papel do PROIFES-Federação, dos sindicatos e dos docentes na atual quadra política que o país vivencia. “Saúdo o PROIFES-Federação, exatamente por se ousado. Por ser atrevido. Por querer mudar. Por querer um movimento docente democrático e plural, mas de luta e propositivo. Nossa tarefa, para a Federação é consolidá-la com uma entidade cada vez mais viva e democrática. Nossa tarefa, para a categoria é lutar permanentemente para que tenhamos uma universidade pública e gratuita, que respeite os professores. Nossa tarefa, para o Brasil, é a de resistência exige de defender a democracia e combater, sem tréguas, todas as aventuras golpistas”.

Consolidação da expansão do Ensino Superior

A reitora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Angela Maria Paiva Cruz, eleita esta semana a nova direção da Associação Nacional dos Dirigentes de Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), ressaltou a necessidade em atuar na interlocução com as associações de professores, de técnico-administrativos, de estudantes e com a sociedade em geral, entre outros, para elaboração e execução de políticas para a Educação Superior e nos demais níveis de ensino.

“Compreendemos que a agenda de desenvolvimento econômico e social do Brasil depende em grande medida das nossas instituições federais, responsáveis por cerca de 90% da produção científica e tecnológica do país”, afirmou. Para a reitora, os gestores das instituições federais de ensino superior têm a responsabilidade de buscar, “com criatividade, competência, liderança e empreendedorismo gerencial, as condições para que os avanços alcançados na educação superior nesses últimos 14 anos tenham continuidade, visando sobretudo o atendimento das metas do Plano Nacional de Educação, o PNE”.

PROIFES-Federação

Após os pronunciamentos dos líderes sindicais que compuseram a mesa diretiva, o presidente do PROIFES-Federação, o professor Eduardo Rolim, agradeceu a presença de todos os convidados e reafirmou os compromissos da entidade. “O PROIFES não tem medo de estar em todos os espaços pela luta por uma educação universal, pública e de qualidade. Essa é a nossa busca diária”, pontuou.

Para o dirigente, o momento político no Brasil é desafiador e lembrou que isto acontece em um cenário mundial igualmente conturbado. “Nesse momento de resistência é preciso entender o papel das entidades sindicais frente a um processo de mudanças institucionais que estão longe de ser democráticas”, observou.

Rolim frisou que o Proifes, por ser uma entidade plural, precisa entender as diversas visões que existem internamente, porém sem admitir qualquer tipo de retrocesso. “Não aceitamos matrículas pagas nas universidades federais, não aceitamos a reforma da previdência da forma como está colocada, não aceitamos que se tire a obrigatoriedade da Petrobras do pré-sal”, disse. 

À luz do quadro da atual conjuntura nacional, Eduardo afirmou que o “momento de resistência exige que todas as cabeças pensantes estarem juntas em defesa da Educação Pública” e ressaltou a disposição da Federação em enfrentar todas as medidas do governo do vice Michel Temer, que ocupa interinamente a presidência, consideradas como graves e preocupantes a medida que representam uma ameaça à educação pública.

Homenagem

A cerimônia também foi marcada pela homenagem ao professor Lúcio Hagemann, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com a exibição de um vídeo com depoimentos de familiares, amigos e colegas de profissão.

O prêmio PROIFES foi instituído como uma forma de homenagear professores federais que se distinguiram por sua trajetória acadêmica e, sobretudo, por sua valiosa contribuição no movimento docente e a construção do PROIFES.

Já foram homenageados os professores Peter Fischer da Universidade Federal de Goiás, professor Círio Simon da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, a professora Matilde Alzeni dos Santos da Universidade Federal de São Carlos, e em sua última edição homenageou post mortem o vice presidente do PROIFES-Federação, professor Fernando Antônio Sampaio de Amorim da Universidade Federal do Rio do Janeiro, falecido no exercício da vice presidência.

Durante toda a cerimônia de abertura, foram realizados protestos ao governo interino do vice Temer em não reconhecimento ao que classificaram de “governo golpista”, com placas pedindo “Fora Temer”.

 

ADURN Sindicato
84 3211 9236 • secretaria@adurn.org.br