UFRN cria força-tarefa de combate ao coronavírus

Publicado em 21 de março de 2020 às 20h00min

Tag(s): Coronavírus UFRN



Foto: Anastácia Vaz

 

Enfrentando a situação de emergência provocada pelo novo coronavírus (Covid-19) no país, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) criou uma força-tarefa para apoiar o estado. Cumprindo com sua missão social de fortalecer a saúde pública, a Universidade está realizando análises clínicas de outras doenças para reduzir a demanda do laboratório estadual, bem como está empreendendo esforços na aquisição de insumos necessários para iniciar testes do Covid-19 e a produção de álcool, além ter disponibilizado uma cartilha nutricional de enfrentamento ao coronavírus.

De acordo com o diretor do Centro de Ciências da Saúde (CCS-UFRN), Antônio de Lisboa Costa, nesta semana, o Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas intensificou a realização dos exames das arboviroses (dengue, chikungunya, zika), que ainda representam uma demanda numerosa. “Esse trabalho da UFRN desafoga a demanda do  Lacen (Laboratório Central de Saúde Pública do Rio Grande do Norte), permitindo que o laboratório fique livre para se dedicar, principalmente, às análises do coronavírus”, explica.

Ainda segundo o diretor Antônio Costa, o Departamento de Nutrição e o Programa de Pós-Graduação em Nutrição elaboraram a cartilha Orientações Nutricionais para o Enfrentamento do Covid-19, abordando sobre a importância da higienização e conservação correta dos alimentos no contexto do coronavírus, bem como outros aspectos que podem ser conferidos aqui aqui

Pesquisadores da UFRN realizam testes laboratoriais para diagnosticar as arboviroses. Foto: Anastácia Vaz

Sobre as ações planejadas para os próximos dias, o Instituto de Medicina Tropical (IMT-UFRN), em parceria com o estado, pretende realizar testes do Covid-19, o que vai acelerar os diagnósticos no RN. O início desse trabalho está dependendo da chegada do kit para testagem do coronavírus, além de reagentes e equipamentos de proteção individual (EPIs), que estão com dificuldade de fornecimento devido à grande demanda causada pela doença. “A UFRN está com toda infraestrutura e pessoal qualificado para iniciar os testes”, esclarece a diretora do IMT, Selma Jerônimo.

Na mesma perspectiva, o Núcleo de Pesquisa em Alimentos e Medicamentos (Nuplam) aguarda a chegada de substâncias para produzir álcool, assim como o Departamento de Farmácia, que solicitou a autorização da Vigilância Sanitária. O Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva (NESC) está elaborando também um projeto de extensão para apoiar a Secretaria Estadual de Saúde (Sesap), ofertando teleorientação (instruções remotas) para profissionais e para população.

Prevenção

Para a diretora do IMT-UFRN e pesquisadora em doenças infecciosas e parasitárias, Selma Jerônimo, neste momento, a principal forma de evitar a propagação do novo coronavírus é intensificar as medidas preventivas, como a higienização regular das mãos e o isolamento das pessoas. Para a professora, é preciso ter atenção especial ao grupo de risco (idosos, diabéticos, hipertensos, e quem tem doenças crônicas, por exemplo). Contudo, ela lembra que a doença também atinge pessoas jovens e, por isso, é importante que a quarentena seja praticada, para conter a disseminação do vírus. 

Confira outras ações da UFRN sobre o novo coronavírus aqui.


Fonte: UFRN

ADURN Sindicato
84 3211 9236 • secretaria@adurn.org.br