A Internacional da Educação e a UNESCO pedem que os educadores sejam considerados um grupo prioritário nas vacinações COVID-19

Publicado em 01 de fevereiro de 2021 às 21h44min

Tag(s): Pandemia de coronavírus



Hoje, no 60º aniversário da Convenção que promove o direito universal à educação, a Internacional da Educação e a UNESCO publicaram uma mensagem conjunta conclamando os governos e a comunidade internacional a considerarem professores e pessoal de apoio à educação como um grupo prioritário nos esforços de vacinação COVID-19. A ligação ocorreu quando alguns países estão começando a lançar vacinas COVID-19.

Observando que mais de 100 milhões de professores e funcionários de escolas em todo o mundo foram afetados por interrupções educacionais devido à crise do COVID-19, a chefe da UNESCO Audrey Azoulay e o secretário-geral da Internacional da Educação, David Edwards, elogiaram e agradeceram os educadores por seus esforços incansáveis no apoio a seus alunos. À medida que as escolas fechavam as portas, os educadores "reinventaram a maneira como ensinamos, aprendemos", disseram, acrescentando que, quando as escolas foram reabertas, os professores voltaram "corajosamente" às salas de aula.

Destacando os impactos negativos do fechamento de escolas, Edwards afirmou: “As escolas são insubstituíveis. Reabrir escolas e instituições educacionais com segurança e mantê-las abertas tanto tempo quanto possível é um imperativo. ” Considerando o papel essencial das escolas e o desenvolvimento de vacinas COVID-19, os líderes da Internacional da Educação e da UNESCO conclamaram “os governos e a comunidade internacional a considerarem professores e funcionários da escola como um grupo prioritário nos esforços de vacinação”.

A mensagem conjunta UNESCO – Internacional da Educação está disponível na íntegra abaixo.

Fonte: Internacional da Educação

ADURN Sindicato
84 3211 9236 • secretaria@adurn.org.br