Congresso corta 92% dos recursos para Ciência; ADURN-Sindicato repudia mais este ataque de Bolsonaro contra pesquisa

Publicado em 13 de outubro de 2021 às 14h09min

Tag(s): Nota da Diretoria



A pedido do Ministério da Economia, o Congresso Nacional aprovou na última quinta-feira (7) um projeto que corta verbas do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e as remaneja para outras áreas. Com o corte, o orçamento previsto para bolsas e projetos de pesquisa passa de R$690 milhões para apenas R$55 milhões, representando uma diminuição de 92%. 

O ADURN-Sindicato repudia mais este ataque do Governo Federal à Ciência e Tecnologia, que inviabiliza o desenvolvimento e a continuidade de importantes trabalhos científicos nacionais - o que se agrava se levarmos em conta que estamos enfrentando uma profunda crise sanitária.

Se os 690 milhões previstos já representavam uma ameaça real à ciência no Brasil, com a redução de 92% desse valor visualizamos medidas drásticas a curto prazo, como a possibilidade de perda de bolsas e a suspensão do Edital Universal do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), investimentos essenciais para a produção de pesquisas e a permanência dos pesquisadores em seus ambientes de trabalho.

A fuga de cérebros também é um ponto crítico, e já é uma realidade. Sob o governo Bolsonaro, esse número saltou para 40%; reflexo do desprezo à educação, à ciência e à tecnologia que caracteriza a atual gestão deste país. Vale destacar que os cortes são prejudiciais também para a população em geral: sem pesquisadores de ponta, a economia e o futuro do povo brasileiro são afetados diretamente.

Diante disso, o ADURN-Sindicato pede a recomposição do orçamento, fundamental para o bom funcionamento das instituições e para o desenvolvimento da nação. Lutemos por universidades públicas, gratuitas e de qualidade! Lutemos contra este governo!

ADURN Sindicato
84 3211 9236 • secretaria@adurn.org.br