Desafio é a expansão da democracia, diz presidente da SBPC

Publicado em 29 de outubro de 2021 às 10h05min

Tag(s): Democracia



Em conferência durante a Mobilização em Defesa da Ciência, Renato Janine Ribeiro falou sobre os potenciais da democracia


Uma democracia não pode ser entendida apenas como uma forma de governo, nem só como um regime estritamente político. Trata-se de um sistema que se expande pela vida das pessoas, com potencial para atingir o mundo dos afetos, dos amores, das amizades, definiu o presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Renato Janine Ribeiro.

Filósofo, professor de Ética e Filosofia Política da Universidade de São Paulo (USP), Janine Ribeiro proferiu a conferência “Os potenciais da Democracia” durante a “Mobilização em Defesa da Ciência”, realizada na última terça-feira (26).

Em sua exposição, ele traçou um histórico da democracia no mundo desde seu surgimento na Grécia, por volta do século 5 antes de Cristo, até os dias atuais, passando pelos eventos mais marcantes e as transformações trazidas pela era das Revoluções, no século XVIII, quando se consolida a ideia da democracia representativa.

Um dos maiores desafios das democracias atualmente é a redução das desigualdades econômicas e sociais, oferecendo oportunidades iguais às pessoas, reduzindo a miséria, afirmou Janine Ribeiro. “A ideia de uma democracia social passa muito pelo fim da pobreza, por aumento de oportunidades e o que alguns chamariam simplificadamente da criação de uma sociedade de classe média, de relativa igualdade, com um nível de dignidade para todos”.

A expansão da democracia por todos os campos é o que o presidente da SBPC chamou de “potenciais”. “A democracia abre um espaço para se expandir a esfera social”, afirmou, acrescentando que, quando a democracia é garantida, também se garante o espaço para reivindicação dos direitos das mulheres, das crianças, das pessoas em geral, e para a recusa aos preconceitos.

Mas também há limites, localizados nos que são contrários às igualdades. “A democracia é uma luta, temos que lutar para fortalecê-la e essa jornada pela ciência e educação faz parte disso, queremos que a democracia valha e para isso ela tem que abrir espaço para um conhecimento cada vez mais rico do mundo, que a ciência traz, com uma prosperidade maior, que a tecnologia proporcionada pela ciência traz e para pessoas mais qualificadas, para terem vida profissional boa e fazer escolhas melhores, que a educação traz”, concluiu.

A “Mobilização em Defesa da Ciência” tem por objetivo pressionar o governo e os parlamentares pela recomposição do orçamento da CT&I. O Fundo Nacional do Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) é hoje a principal fonte de financiamento da pesquisa científica no país. O corte e contingenciamento das verbas do FNDCT prejudicam principalmente o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) que perdeu mais de R$ 600 milhões de seu orçamento. As entidades também solicitam a liberação dos R$ 2,7 bilhões que ainda restam do FNDCT no ano em curso.

Assista à apresentação do professor Renato Janine Ribeiro na íntegra, no canal da SBPC no YouTube.

Fonte: Janes Rocha – Jornal da Ciência

ADURN Sindicato
84 3211 9236 • secretaria@adurn.org.br