Em meio ao caos social e sanitário, governo prioriza gastos militares

Publicado em 15 de fevereiro de 2022 às 09h32min

Tag(s): Governo Pandemia de coronavírus



Em meio ao caos social e sanitário, governo prioriza gastos militares

O presidente Jair Bolsonaro segue destinando bilhões de reais do povo para desnecessários gastos militares, enquanto o país enfrenta graves crises no âmbito sanitário, econômico, humano e social.

Em vez de investir para gerar desenvolvimento, empregos, reduzir os impactos da fome e da inflação e a miséria crescente, Bolsonaro está focado apenas em sua reeleição.

Por isso, em 2022, o Brasil terá o menor investimento público de sua história: o Orçamento, que já superou R$ 200 bilhões no começo da década passada, será de apenas R$ 44 bilhões. Para piorar, a área que mais receberá recursos será a Defesa (mesmo com o Brasil não participando de nenhum conflito há décadas).

Na previsão enviada ao Congresso pelo Governo Federal, R$ 8,8 bilhões estão separados para a pasta (para comprar a fidelidade dos militares), sendo que R$ 1,2 bilhão seriam para a compra de aeronaves e caças – valor maior que todo o orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

O orçamento destinado à Defesa é superior ao total reservado para Saúde e Educação somadas (R$ 4,7 bilhões e R$ 3,7 bilhões, respectivamente): prioridades de um governo que atua contra o seu próprio povo.

Fonte: APUB

ADURN Sindicato
84 3211 9236 • secretaria@adurn.org.br