“Para quem sopram os ventos?”: os impactos das torres eólicas estão em exposição na UFRN

Publicado em 11 de maio de 2022 às 17h37min

Tag(s): UFRN



Embora reconhecidamente uma fonte de energia renovável, a energia eólica – gerada pela força dos ventos – tem trazido impactos sociais, ambientais e econômicos para comunidades tradicionais do Nordeste. Restritas ao conhecimento de pesquisadores e das populações nativas, a discussão das consequências do avanço da instalação dos parques eólicos é uma necessidade que tem suscitado um questionamento: “para quem sopram os ventos?”. A questão ganhou uma mostra fotográfica e uma websérie, disponível no YouTube, que documentam o ambiente modificado pela chegada das torres, e que estão em exposição no Centro de Convivência da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Campus Natal, desde o dia 10 de maio e segue até esta quinta (12), das 9h às 17h.

Mostra itinerante chega à UFRN e é aberta ao público

Produzidas e organizadas pela Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2, as imagens trazem as experiências vivenciadas por quem convive com os parques eólicos no agreste pernambucano, alto sertão paraibano e alagoano e nas paisagens litorâneas do Rio Grande do Norte. A exposição itinerante é aberta ao público e já percorreu os Estados de Pernambuco, Alagoas e Paraíba, sendo encerrada no Rio Grande do Norte.

 

“Das várias atuações nossas, quando começamos a acompanhar as famílias desses quatro Estados, escutamos muitas queixas em relação aos impactos causados pela chegada dos parques eólicos e ficamos atentos a isso. Nos organizamos, então, institucionalmente para ajudar a levar as vozes dessas populações nativas ao conhecimento amplo da sociedade”, explica a assessora regional da Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2, Luciana Florêncio.

Segundo ela, foi quando se deu início, em fevereiro deste ano, à essa campanha que busca proporcionar o debate sobre o tema. Além da mostra fotográfica, é exibida nas exposições a websérie “Para que sopram os ventos?, que está dividida em 6 (seis) episódios: A eólica mora ao lado; Os contratos abusivos; Energia limpa?; O que vamos comer no futuro?; Devolvam o que nos levaram embora, e Um outro futuro é possível.

O trabalho desenvolvido a partir da realização dessa campanha resultou na elaboração coletiva de uma Carta Aberta, assinada por organizações e pessoas da sociedade civil, com o objetivo de sensibilizar e alertar a sociedade sobre os impactos causados pelos grandes empreendimentos eólicos e exigir dos representantes parlamentares mudanças urgentes. O documento está disponível para assinatura no site da Cáritas Brasileira NE2 (www.caritasne2.org.br) , ou através deste link.

“A Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2 não é contra as diversas formas de geração de energia renovável, não somo contra o desenvolvimento. Mas entendemos que o debate de como isso está sendo feito é urgente e necessário”, afirma Luciana Florêncio.

Para a pesquisadora Moema Hofstaetter, doutora em Turismo e Desenvolvimento, que integra o grupo de pesquisas do Laboratório Interdisciplinar Sociedades Ambientais e Territórios (LISAT) da UFRN, “é preciso mostrar à sociedade em geral, para a comunidade acadêmica, para os alunos e estudantes, para as pessoas que vivem nas cidades, que os parques eólicos, mesmo que sejam importantes como fontes de energias renováveis, que chega para mitigar o efeito estufa, não são isentos de impactos sociais, ambientais, antropológicos, geológicos”.

Ela alerta que falta aos Estados um zoneamento ecológico e econômico que defina as áreas possíveis de receberem esses investimentos e quais as áreas são necessárias serem reservadas para produção de alimento, para garantia da nossa biodiversidade, para garantia da continuidade da nossa cultura, preservando o patrimônio antropológico. A sensação que temos é que a sociedade como um todo e os governo acabam ressaltando apenas um lado que pode ser considerado positivo sem mostrar esse outro lado”, ressaltou Moema reafirmando a necessidade urgente de se fazer essa discussão.

Enquanto sociedade civil, a pesquisadora cobra que a população diga onde não se aceita esses parques, “como, aqui no RN, as Dunas do Rosado. Estamos muito preocupados agora com as Serras do nosso Estado, que estão sendo invadidas pelas torres e sem debate com a sociedade. Infelizmente, as audiências públicas, historicamente, aqui no Brasil são utilizadas apenas para chancela e não para tomada de decisão”.

A discussão, cada vez mais forte, está relacionada aos problemas que os parques têm trazido à saúde das populações nativas, aos contratos abusivos, aos impactos ambientais, sociais e econômicos que ameaçam a existência de comunidades tradicionais, rurais e quilombolas do Nordeste.

Mesa-redonda 

No RN, para debater o tema, a organização do evento, por meio dos departamentos de Antropologia (DAN) e de Políticas Públicas (DPP) da UFRN, tem promovido mesas-redondas. A abertura, realizada na terça (10) contou com a presença de inúmeras lideranças, como representações dos mandatos da deputada federal Natália Bonavides, do deputado estadual Francisco do PT e da vereadora de Natal, Divaneide Basílio. Também participaram o vice-prefeito de São Miguel do Gostoso, João Eudes; Marjorie Madruga, da Procuradoria Geral do Estado; Daniel Lins, da Cáritas Regional; Alécio Ananias, da Federação dos Trabalhadores da Agricultura do RN (FETARN); José Carlos Neto, da Central da Pastoral da Terra (CPT); Luís Ribeiro da Silva, da CPP; Leonete Nascimento, da Comunidade Exu e Edilson Farias, da Conselho Gestor da Área de Proteção Ambiental (APA) Dunas do Rosado.

Fonte: Saiba Mais 

ADURN Sindicato
84 3211 9236 • secretaria@adurn.org.br