STF decreta sigilo em inquérito que apura se houve interferência de Bolsonaro no MEC

Publicado em 30 de junho de 2022 às 20h53min

Tag(s): Corrupção MEC



Para a Polícia Federal, Bolsonaro pode ter avisado o ex-ministro da busca e apreensão ocorrida em sua casa

O Supremo Tribunal Federal decretou sigilo sob investigação que apura se Bolsonaro interferiu em investigação de corrupção no Ministério da Educação.  

O inquérito, de relatoria da ministra Cármen Lúcia, será encaminhado à Procuradoria-Geral da República para que Augusto Aras se manifeste.

A investigação havia sido encaminhada para a primeira instância depois que Milton Ribeiro deixou o cargo, mas voltou ao STF por envolver o presidente da República.  

Para a Polícia Federal, Bolsonaro pode ter avisado o ex-ministro da busca e apreensão ocorrida em sua casa. A informação surgiu em uma ligação grampeada entre Milton Ribeiro e a sua filha. 

Segundo o ex-ministro, o presidente havia relatado um “pressentimento”, e que foi alertado da possibilidade de ser alvo de uma busca e apreensão. 

“Hoje, o presidente me ligou. Ele está com um pressentimento novamente de que podem querer atingi-lo através de mim, sabe?”, disse Ribeiro. Em seguida, o ex-ministro afirma: “Ele acha que vão fazer uma busca e apreensão em casa, sabe? Bom, isso pode acontecer, se houver indícios, mas não há porquê”, disse o ex-ministro.

O ex-chefe do MEC é investigado pela Polícia Federal suspeito de operar um gabinete paralelo para desviar verbas do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação para dois pastores evangélicos, Gilmar Santos e Arilton Moura.

Segundo apuração do Estadão, pastores negociavam com prefeitos a liberação de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação do MEC. Em troca da influência na Pasta, líderes religiosos solicitavam propina  — inclusive em barras de ouro e na compra de bíblias — para auxiliar na liberação de recursos para as suas cidades.

Os líderes religiosos apontados como lobistas teriam ligações com o presidente Jair Bolsonaro, que teria pedido para o ex-ministro que beneficiasse “os amigos dos pastores”.

O ex-capitão, que quando rebentou o escândalo, disse colocar “a cara no fogo” pelo seu ministro, diz agora que Milton Ribeiro é responsável pelos seus atos e se a polícia o prendeu, foi porque tinha motivos para isso.

Fonte: Carta Capital

ADURN Sindicato
84 3211 9236 • secretaria@adurn.org.br