Entidades protestam contra projeto que tira R$ 200 bi do pré-sal previstos para a educação

Publicado em 12 de julho de 2022 às 15h40min

Tag(s): Cortes na Educação



pré-sal-privatizacao
 
 

São Paulo – Entidades como CUT, Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e Federação Única dos Petroleiros (FUP) estão em Brasília, nesta terça-feira (12), protestando em defesa do Fundo Social do Pré-Sal. Criado em 2010, ainda no governo Lula, o fundo soberano recebe a parcela dos recursos do pré-sal, como royalties e participações especiais, que são destinados para investimentos em educação e saúde. Mas o recurso está em xeque com o Projeto de Lei (PL) 1.583/2022, em tramitação no Congresso, que propõe a desvinculação da receita de áreas sociais. 

Na tentativa de barrar o projeto, as entidades participam de audiência em defesa das empresas públicas e da soberania nacional no auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados, às 13h30. O debate faz parte do ato também convocado pelas frentes parlamentares mistas em Defesa da Petrobras, da Soberania Nacional e do Serviço Público. Em paralelo, desde a manhã desta terça, trabalhadoras e trabalhadores e entidades que atuam pela educação também promovem um tuitaço em que questionam “cadê o fundo?”. 

 

Prioridade

A proposta em questão é de autoria do governo Jair Bolsonaro (PL) e foi enviada ao Congresso, ainda em junho, para privatização do petróleo excedente do pré-sal que atualmente vai para a União. O texto do Executivo cede o direito à parcela da União da venda do óleo extraído pelos contratos de partilha hoje são negociados pela Pré-Sal Petróleo S.A (PPSA), estatal que também é alvo do apetite privatista do governo Bolsonaro. Além de desvincular os recursos do pré-sal destinados à saúde e educação, áreas que recebem 25% e 75% dos repasses para compor os orçamento. 

O PL está em tramitação na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviço da Câmara. Mas hoje ganhou regime de prioridade, deferido pelo presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL). A medida foi ainda apensada ao projeto 6.083/2016 que altera também os fundamentos da lei de partilha, estabelecendo critérios de individualização da produção por outras empresas em áreas do polígono do pré-sal que se estendam por área da União. 

Na prática, os projetos vão na mesma linha de privatização da Petrobras, como mostrou a RBA. O governo Bolsonaro ainda pretende adiantar receitas futuras para aumentar suas chances eleitorais, conforme explicou à reportagem o economista do Observatório Social do Petróleo (OSP) e do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais (Ibeps), Eric Gil Dantas. O Executivo estiva a arrecadação de R$ 398 bilhões a venda do pré-sal. O que proporcionará bilhões de caixa para Bolsonaro a três meses das eleições. Sem a vinculação com a saúde e educação a verba poderá ainda ser gasta conforme o governo federal queira executar. 

Entidades apontam perdas 

As entidades sindicais e pela educação estimam, contudo, uma perda de mais de R$ 200 bilhões de recursos que seriam destinados para as áreas sociais. Desse modo, esses setores correm risco de perder ainda mais orçamento público em meio a um contigenciamento de verbas aplicado desde 2016. “Bolsonaro aproveita seu último ano de governo e tenta impor mais perdas ao povo brasileiro”, critica o presidente interino da CNTE, Roberto Leão. 

“Infelizmente o governo Bolsonaro não tem projeto, não tem planejamento, não constrói absolutamente nada que causa impacto positivo no médio e longo prazo”, acrescenta o coordenador da FUP, Deyvid Bacelar. O Sindicato dos Petroleiros do Espirito Santo (Sindipetro-ES) avalia que o projeto “destrói o presente e o futuro do país numa tacada só!”. As entidades destacam ainda que o controle do governo brasileiro sobre a exploração do pré-sal também fica em risco com o PL. “O que pode gerar sonegação de dados públicos e redução dos recursos para o Fundo, sem contar os impactos econômicos na redução da geração de emprego”, advertem. 

Quando foi descoberto o pré-sal, em 2007, houve grandes debates que levantaram a importância de que os recursos, considerados uma riqueza dos brasileiros, não fossem apenas colocados como lucro ou receita imediata. Mas que se tornassem fonte de recursos para a educação, a saúde e a indústria local, a exemplo de países como a Noruega, no século 20. 

Redação: Clara Assunção

Fonte: Rede Brasil Atual

ADURN Sindicato
84 3211 9236 • secretaria@adurn.org.br