Anvisa decide liberar a aquisição de medicamentos e vacinas sem registro contra a Monkeypox

Publicado em 19 de agosto de 2022 às 16h34min

Tag(s): Saúde



A medida, que ainda precisa de regulação, vai permitir ao Ministério da Saúde adquirir os produtos com base na aprovação de órgãos regulatórios internacionais

A Agência Nacional de Saúde (Anvisa) decidiu, de forma unânime, por simplificar a entrada e o uso de vacinas contra a monkeypox no País. Os cinco diretores da Anvisa votaram a favor da medida em uma reunião extraordinária nesta sexta-feira 19.

A medida, de caráter excepcional e temporário, permite ao Ministério da Saúde solicitar dispensa de registro de imunizante ou de remédio contra a doença à Anvisa, se valendo da aprovação de pelo menos uma entidade entre o Food and Drug Administration (FDA), nos Estados Unidos, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) e a Organização Mundial da Saúde (OMS), além de órgãos regulatórios do Reino Unido, do Japão e do Canadá.

O ministério, no entanto, deverá apresentar comprovação de boas práticas por parte de autoridade sanitária e se responsabilizar pelo uso desses produtos. Também fica sob a responsabilidade da pasta definis os públicos prioritários para aplicação dos produtos, a manutenção do uso se os benefícios superarem os riscos e orientação aos serviços de saúde.

A medida ainda precisa de regulação, mas a tendência é que seja aprovada. “Há base legal para possibilitar a medida regulatória. A medida está alinhada à finalidade institucional da Anvisa de promover a saúde da população bem como suas atribuições legais”, justificou a relatora do pedido, e primeira-diretora da Anvisa, Meiruze Freitas.

Até o momento, nenhuma vacina ou medicamento contra a monkeypox tem registro para uso, ou pedido de avaliação no País. O Ministério da Saúde anunciou a compra de 50 mil doses de vacina para profissionais de saúde e pessoas que tiveram contato com infectados, além do antiviral tecovirimat, destinado a pesquisas clínicas, sobretudo com pacientes graves.

O Brasil é o 5º país com o maior número de casos da doença no mundo.

Fonte: Carta Capital

ADURN Sindicato
84 3211 9236 • secretaria@adurn.org.br