Inadimplência bate novo recorde e atinge 67,6 milhões de brasileiros

Publicado em 26 de agosto de 2022 às 11h53min

Tag(s): Economia



Segundo levantamento da Serasa, cerca de 41,8% da população adulta está inadimplente no Brasil, a maioria tem entre 26 e 40 anos

Em julho, o Brasil registrou um total de 67,6 milhões de inadimplentes, o maior número de pessoas com contas atrasadas desde 2016, quando o levantamento começou a ser feito pela Serasa Experian, que há oito meses registra altas consecutivas.

Cerca de 41,8% da população adulta está inadimplente, e a maior parte das pessoas com nomes negativados tem entre 26 e 40 anos, de acordo com o levantamento. Veja abaixo como saber se seu nome está negativado ou sujo, como também é chamado quem está inadimplente. 

Entre as razões apontadas pelos especialistas para este recorde de inadimplência está a inflação ainda elevada, especialmente a dos alimentos que continua subindo e afeta principalmente os mais pobres.

O economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, confirma que a principal razão do recorde foi a inflação. “Desde agosto do ano passado, ela está em dois dígitos, considerando o dado anualizado. E isso tem um efeito brutal na capacidade de pagamento das pessoas”.

“O custo de vida, de alimentação fica mais alto, e sobra menos dinheiro para pagar compromissos previamente assumidos e as contas do dia a dia, principalmente com essas tarifas também aumentado", explica o economista.

Outra é a queda dos salários apontada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) - rendimento médio caiu 5,1% em 12 meses; e a alta da taxa básica de juros (Selic). E, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), em julho, em 47,3% das negociações, o reajuste do salário ficou abaixo do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

A alta da taxa básica de juros (Selic) também é citada por economistas como um dos itens que contribui para sufocar a renda dos brasileiros. Em agosto, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central elevou pela 12ª seguida a Selic, para 13,75% ao ano, nível mais alto desde outubro de 2016.

Os vilões do calote

Os bancos e os cartões lideram a lista dos principais responsáveis pela maioria das dívidas, com 28,6% do total.

"Cartões e o cheque especial são muito usados pelo brasileiro para esticar seu salário e é muito fácil ficar inadimplente assim, pois os juros são largos", explica Rabi.

As contas básicas como água, luz e gás, com 22,2%, estão em segundo lugar.

Em terceiro está o setor de Financeiras (13,7%); e. em quarto o varejo, com 12,4%.

"Apesar de estar na terceira posição, o setor de Financeiras é o que mais tem crescido a participação na negativação. Isso porque, de forma geral, as financeiras atendem pessoas que não conseguem crédito em banco mais: pessoas vulneráveis em renda e emprego. Então tem um perfil mais arriscado, cobrando taxas de juros mais altas do que as do banco. E muitos que contraem essas dívidas perdem a capacidade de pagamento de uma hora pra outra", pontua Rabi.

Na sequência, estão Serviços (10,1%); Telefonia (6,8%); e Securitizadoras (2,1%).

Na divisão por região, São Paulo liderou o número de inadimplentes, com 16.016.549. Na outra ponta, Roraima foi o estado com menos negativados, 214.162.

Confira:

Como saber se o nome está sujo?

O primeiro passo é fazer uma consulta pela internet nos principais canais de informações de crédito. São eles esta o da própria Serasa, o SPC Brasil e Boa Vista SCPC. Para os três canais também estão disponíveis aplicativos que permitem a consulta.

Como excluir o nome desses cadastros?

Para ter seu nome excluído dos cadastros, obviamente, é necessário quitar ou renegociar as dívidas, o que pode ser feito diretamente com os estabelecimentos.

Geralmente os juros em renegociações são menores e há um parcelamento da dívida. Mas, a Serasa também faz feirões de negociação de dívidas, com desconto nas multas e juros e parcelamento em até 24 meses.

Fechado o acordo de negociação, a instituição pede a exclusão do nome nos cadastros de proteção ao crédito. No caso da dos feirões da Serasa, após o acordo a empresa retira o nome do devedor do cadastro. 

É importante saber que, após o vencimento de qualquer dívida, o credor pode incluir o nome do consumidor nos cadastros, mas isso geralmente é feito somente após 30 dias de atraso e após tentativas de negociação.

Fonte: CUT

ADURN Sindicato
84 3211 9236 • secretaria@adurn.org.br