Em discurso potente, PROIFES-Federação defende o cuidado com a vida na abertura do VI Encontro do Movimento Pedagógico Latino-Americano

Publicado em 20 de setembro de 2022 às 15h32min

Tag(s): Educação Encontro Internacional Paulo Freire PROIFES



"A qualquer descuido da vida, a morte é certa”. A frase, trecho do poema “Certidão de óbito”, da linguista e escritora Conceição Evaristo, foi citada pela vice-presidenta do ADUFG-Sindicato, Luciene de Oliveira, ao iniciar sua fala representando o PROIFES-Federação durante a abertura do VI Encontro do Movimento Pedagógico Latino-Americano. O evento teve início na noite desta segunda-feira (19) e integra a programação das celebrações ao centenário de Paulo Freire, que acontece desde o último sábado (17), na cidade de Recife/PE.

Dividindo a mesa com representantes de entidades nacionais e internacionais, Luciene fez um discurso potente defendendo o cuidado com a vida: “esse é o momento do cuidado, porque a qualquer descuido da vida a morte é certa. E a morte, no caso específico do Brasil, vem batendo às nossas portas todos os dias, quando a gente não consegue fazer pesquisa, porque nós estamos há nove anos sem ter as bolsas de pós-graduação revisadas. Quando nós estamos lidando com um governo misógino, profundamente racista e LGBTfóbico”, disse a dirigente.

Ao falar sobre a aplicação da Lei de Cotas, a vice-presidenta do ADUFG-Sindicato denunciou que o governo Bolsonaro não está garantindo a sua continuidade, além de negar concurso público por cotas para docentes do ensino superior. Luciene de Oliveira também destacou o desrespeito à liberdade de imprensa por parte do governo: “não sabe ouvir e tem muita coragem de falar”.

“Quando a gente sabe que a bala tem um destino certo, quando ela é acionada pela polícia, um governo que oferece para a gente cotidianamente perdas de direitos civis, sociais e políticos, então a gente tem que cuidar. E como que a gente cuida?”, questionou Luciene. A resposta foi trazida pela própria dirigente: “nos reconhecendo pelo que somos. Somos mulheres, somos negras, somos lésbicas, somos trans. É essa existência e o auto reconhecimento dessa existência que pode garantir que a gente recupere, restabeleça a dignidade no nosso país”.

Após a mesa de abertura, o jornalista e fundador do Opera Mundi, Breno Altman, realizou uma análise de conjuntura da América Latina e do mundo. A conferência está disponível no canal do YouTube da CNTE e pode ser assistida aqui.

ADURN Sindicato
84 3211 9236 • secretaria@adurn.org.br