Revista científica ‘Nature’ defende voto em Lula ‘pelo Brasil e pelo mundo’

Publicado em 27 de outubro de 2022 às 11h30min

Tag(s): Bolsonaro Editorial Eleições Governo Lula



 
nature defende lula

Foto: Rede Brasil Atual

 

São Paulo – A Nature, uma das mais importantes revistas científicas do mundo, afirmou ontem (25), em editorial, que defende o voto dos brasileiros em Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “Há apenas uma escolha na eleição do Brasil –  para o país e para o mundo“, diz, no título. A publicação considera que um segundo mandato de Jair Bolsonaro (PL) representaria “uma ameaça para a ciência, a democracia e o meio ambiente”.

Não é a primeira vez que a Nature tece críticas duras a Bolsonaro. Antes do primeiro turno, a publicação fez um balanço do governo. Entre os temas abordados, o descaso com a covid-19, níveis inéditos de desmatamento, o desmonte da pesquisa, ciência, tecnologia, com cortes sucessivos nos financiamentos, entre outros.

Agora, a Nature volta a falar de Bolsonaro, com um recado ainda mais claro. “Quatro anos atrás, este jornal estava entre aqueles que temia o pior. ‘A eleição de Bolsonaro é má notícia para a pesquisa e meio-ambiente’, nós dissemos”. Contudo, o atual inquilino do Planalto conseguiu superar as piores expectativas. “O populista capitão aposentado negou a ciência, ameaçou o direito dos povos indígenas, promoveu armas como solução para problemas de segurança. Bolsonaro foi fiel à sua palavra. Seu governo foi desastroso para a ciência, meio-ambiente e para os povos do Brasil e do mundo”.

A publicação chama o segundo turno, que será disputado domingo (30), como “a eleição mais importante do Brasil desde o fim da ditadura militar (1985)”.

Par ideológico

Para exemplificar, a revista traça paralelos entre Bolsonaro e Donald Trump. “Assim como sua contraparte populista nos Estados Unidos, Trump, Bolsonaro ignorou os alertas da ciência sobre a covid-19 e negou os perigos da doença. Bolsonaro também sabotou programas de vacinação, questionou a segurança e a efetividade dos fármacos. Mais de 685 mil pessoas morreram da doença no Brasil. Outras similaridades entre ambos foram desenhadas. Eles atuaram para desconstruir instituições e agências regulatórias”, diz o texto.

A Nature explica que Bolsonaro seguiu o mesmo padrão de “guerra cultural” vivenciada pelos norte-americanos. “Bolsonaro pegou um orçamento para a ciência em queda e prosseguiu com o desmonte.Dessa maneira chegou em um ponto em que universidades federais lutam para manter as portas abertas e até mesmo a conta de luz em dia. A academia e a ciência sofreram uma ofensiva espelhada na guerra cultural de Trump.”

Contrastes

Em contrapartida, a publicação lembra dos anos de gestão petista no Brasil. “O Partido dos Trabalhadores, quando chegou ao poder, fez grandes investimentos em ciência e inovação, forte proteção ambiental tomou protagonismo e as políticas educacionais expandiram. Além disso, graças em parte a uma massiva política transferência de renda aos mais pobres, chamada Bolsa Família, as pessoas mais vulneráveis viram ganhos em condições de vida e oportunidade”, afirma o editorial.

Por fim, a Nature lembra que “não existe líder perfeito”, mas tece mais elogios a Lula. “O Brasil construiu uma grande reputação como líder em preservação ambiental e reduziu a devastação na Amazônia em 80% entre 2004 e 2012 (…) Em contraste com Bolsonaro, Lula não não luta contra pesquisadores. Ao contrário, prega ‘desmatamento zero’ e a proteção a terras indígenas (…) Os últimos quatro anos do Brasil são um recado do que acontece quando os eleitos desmontam instituições criadas para reduzir a pobreza, proteger a saúde pública e incentivar a ciência e o conhecimento.”

Confira íntegra do editorial da Nature que defende o voto em Lula:

"Quando o Brasil elegeu Jair Bolsonaro como seu presidente há quatro anos, este jornal estava entre os que temiam o pior. “A eleição de Jair Bolsonaro é ruim para a pesquisa e o meio ambiente”, escrevemos ( Nature 563 , 5–6; 2018 ).

Populista e ex-capitão do Exército, Bolsonaro assumiu o cargo negando a ciência, ameaçando os direitos dos povos indígenas, promovendo armas como solução para preocupações de segurança e promovendo uma abordagem de desenvolvimento a todo custo para a economia. Bolsonaro foi fiel à sua palavra. Seu mandato foi desastroso para a ciência, o meio ambiente, o povo do Brasil – e do mundo.

Neste fim de semana, os brasileiros vão às urnas no segundo turno de uma das eleições mais importantes do país desde o fim da ditadura militar em 1985. Bolsonaro é candidato à reeleição pelo Partido Liberal. Seu adversário é Luiz Inácio Lula da Silva, líder do Partido dos Trabalhadores que foi presidente por dois mandatos entre 2003 e 2010. margem. Ele não conseguiu obter a maioria geral, forçando os dois a um segundo turno.

O histórico de Bolsonaro é de arregalar os olhos. Sob sua liderança, o meio ambiente foi devastado quando ele retirou as proteções legais e menosprezou os direitos dos povos indígenas. Somente na Amazônia, o desmatamento quase dobrou desde 2018, com mais um aumento esperado quando o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil divulgar seus últimos dados de desmatamento nas próximas semanas.

Assim como seu ex-colega populista dos EUA, Donald Trump, Bolsonaro ignorou os alertas dos cientistas sobre a COVID-19 e negou os perigos da doença. Bolsonaro também minou os programas de vacinas, questionando a segurança e eficácia dos jabs. Mais de 685.000 pessoas no Brasil morreram de COVID-19. A crise econômica que se seguiu à pandemia atingiu duramente os brasileiros.

Outras semelhanças foram traçadas entre Trump e Bolsonaro – ambos tentaram minar o estado de direito e reduzir os poderes dos reguladores.

O financiamento para ciência e inovação estava diminuindo quando Bolsonaro assumiu o cargo e continuou sob sua liderança , a ponto de muitas universidades federais estarem lutando para manter as luzes acesas e os prédios abertos. A ciência e a academia serviram como inimigos fáceis em uma ofensiva anti-elite que refletia as guerras culturais dos Estados Unidos.

Isso contrasta com a situação cerca de uma década antes de ele chegar ao poder, quando o Partido dos Trabalhadores fez grandes investimentos em ciência e inovação, fortes proteções ambientais estavam em vigor e oportunidades educacionais foram ampliadas. Além disso, graças em parte a um sistema maciço de transferência de dinheiro para os pobres, chamado Bolsa Família, as pessoas de baixa renda viram ganhos em riqueza e oportunidades.

O Brasil exibiu sua reputação de líder ambiental aumentando a aplicação da lei ambiental e reduzindo o desmatamento na Amazônia em cerca de 80% entre 2004 e 2012. Por um tempo, o Brasil rompeu o vínculo entre o desmatamento e a produção de commodities como carne bovina e soja , e parecia que o país poderia ser pioneiro em sua própria marca de desenvolvimento sustentável. Muito desse progresso já foi desfeito.

Ao contrário de Bolsonaro, Lula não procurou lutar contra pesquisadores. 

Ele prometeu alcançar o desmatamento ‘zero líquido’ e proteger as terras indígenas se eleito. Mas Lula não está sem bagagem. Ele passou 19 meses na prisão como resultado de uma investigação de corrupção que envolveu funcionários do governo, incluindo líderes do Partido dos Trabalhadores. Mas em 2019, a Suprema Corte brasileira determinou que Lula e outros haviam sido presos indevidamente antes que suas opções de recurso fossem esgotadas. As condenações de Lula foram anuladas em 2021, abrindo caminho para que ele voltasse a concorrer à presidência.

Nenhum líder político chega perto de ser perfeito. Mas os últimos quatro anos do Brasil são um lembrete do que acontece quando aqueles que elegemos desmantelam ativamente as instituições destinadas a reduzir a pobreza, proteger a saúde pública, impulsionar a ciência e o conhecimento, proteger o meio ambiente e defender a justiça e a integridade das evidências. Os eleitores do Brasil têm uma oportunidade valiosa para começar a reconstruir o que Bolsonaro derrubou. Se Bolsonaro pegar mais quatro anos, o dano pode ser irreparável.

Nature 610 , 606 (2022)"

Fonte: Rede Brasil Atual 

ADURN Sindicato
84 3211 9236 • secretaria@adurn.org.br